Obelisco centenário é aberto em Santa Quitéria; garrafa com discursos não foi encontrada

Após o encerramento do desfile cívico, um grande número de pessoas se formou ao redor do movimento, enquanto assistiam a uma equipe quebrando pelas laterais para tentar localizar uma garrafa no interior dele. Por não ter sido colocada em um lugar fixo, houve dificuldade por mais de 30 minutos para poder localizar entre os destroços. Uma retroescavadeira ajudou a botar abaixo o obelisco, tendo minutos depois sido encontrados alguns estilhaços de vidro.

Conforme o livro “Minha Terra Minha Gente”, da escritora e médica Elita Andrade (in memoriam), no interior do monumento, foi colocada uma garrafa com os discursos proferidos na comemoração de 1922: o de seu pai Antônio Ernesto, do vigário da Paróquia Pe. José Arteiro Soares e dos professores Luís Ernesto de Andrade e Francisco Gonçalves Magalhães. Além dos fragmentos de vidro, nenhum indício ou pedaço de papel foi visto, frustrando a quem aguarda ver as falas na íntegra.

Ainda assim, o solene momento foi marcado pela presença da única filha viva de Ernesto, a senhora Cândida Vanda, que se emocionou e agradeceu pela memória e tradição de seu pai ter sido preservada, além da leitura de novos discursos do prefeito Braguinha, padre Fábio Nascimento e de outros familiares, documentos estes que serão guardados para o novo obelisco que será construído no mesmo local e mantendo a herança para que seja aberto pelas futuras gerações no terceiro centenário em 2122.

(A Voz de Santa Quitéria)